Translate / Tradutor

sábado, 3 de abril de 2010

38 anos sem o Pai e jornalista Gouvêa Lemos

Há 38 anos, a 02 de Abril de 1972, em um Domingo de Páscoa, falecia Gouvêa Lemos aos 47 anos de idade.
Estávamos, eu e mais 3 irmãos, nas areias da praia de Ipanema no Rio de Janeiro junto a uns tios e amigos destes. Todos na expectativa do Almoço de Páscoa que iria acontecer em nossa casa, cuidadosamente e carinhosamente feito pela Madalena, onde a família iria festejar a Páscoa mas mais ainda o restabelecimento do pós operatório do mais velho dos Gouvêa Lemos.
Lá em cima, no Bar do Castelinho onde antes ele gostava de tomar o seu choop, estava na companhia da sua sempre companheira Madalena e de um dos filhos, o António Maria, e ainda com o proprietário do Castelinho com quem batia sempre um bom papo.
A certa altura, lá da praia, ouvimos da marginal uma freada de carro, uma buzinada. Em segundos, ao vermos que chegava em correria à nossa barraca o Tó Maria, deduzimos que a freada e a buzinada tinham sido causadas pela sua louca e apressada travessia da marginal da praia para logo nos alcançar e nos dizer:
- O pai desmaiou!
O Pai, quando levava um copo de suco de laranja à boca, deixou-o cair e tombou para nunca mais acordar do “desmaio”.
Ali, aos meus 11 anos de idade, perdi a oportunidade de conviver com ele com uma maturidade onde poderia ter aproveitado melhor os seus ensinamentos. Ali os meus irmãos mais velhos, mas não tanto, também perderam o seu herói. A sua companheira, Madalena, assumiu de imediato esse posto, Mãe e Pai.
Mas se nós perdemos, sei também que Moçambique perdeu definitivamente naquele Domingo de Páscoa o jornalista e Homem que ainda tanto teria para doar aquela terra que ele passou a amar quando emigrou de Portugal.
Se Gouvêa Lemos mostrava ter desistido de Moçambique colônia naquele inicio de 1972, quando o deixou para vir para o Brasil, tenho hoje eu a certeza que se não tivesse falecido tão precocemente não demoraria a retornar.
Mas se por muitos anos, depois da ida dele, fui ainda educado pelo meu Pai através dos seus amigos e pela minha Mãe quando me faziam o conhecer pelo o que eles o conheceram, sem medo de errar e fugindo de qualquer aparente prepotência, sei também que o jornalista Gouvêa Lemos deixou legado para o jornalismo, e não só, de Moçambique.

* O retrato do Pai é do pintor e poeta luso-angolano Neves e Sousa.

14 comentários:

  1. Obrigada por teres partilhado este pedaço de dor que guardam na vossa alma. É muito importante manter a lembrança do passado presente.
    Um beijo grande para vcs todos.
    Ana

    ResponderExcluir
  2. Ana,
    Obrigado a ti por teres vindo aqui partilha-lo com a gente.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado mano por lembrares da partida dele. Desde pequeno aprendi a conviver com o facto que afinal não eramos só seis irmãos, e sim sete; O jornalismo, na forma de apurar a verdade independete das ideologias próprias, foi o filho que mais atenção teve dele.

    Beijos, sempre unidos pelo aprendizado dele,
    Tó Maria

    ResponderExcluir
  4. Pouco posso acrescentar, Zé Paulo...
    Pai faz sempre falta. Mais ainda quando, além de Pai, é Exemplo, Herói e Amigo.
    Abraço e que as recordações neste Domingo de Páscoa tragam Paz e a luz do nome Gouvêia Lemos.

    Jaime Luis Gabão

    ResponderExcluir
  5. Jaime,
    És uma pessoa especial.
    Obrigado por nos visitar.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  6. Mano Tó,
    Sem dúvida que havia o mais velho, o jornalismo.
    E ainda bem que ele esteve sempre entre nós, pois assim representou sempre muito bem o Pai na sua ausência.
    Nós dois sabemos que o que ele escrevia era simplesmente resultado do homem que era. E fomos de fato felizardos em sermos os filhos mais novos deles, do António e da Madalena.

    ResponderExcluir
  7. O luto ainda não feito, por todos os irmãos, é notório sempre que falam de Gouvêa Lemos.
    Foi uma perda demasiado cêdo, a herança por demais valiosa.
    Eu compreendo, todos nós compreendemos, penso eu, todos os que perdemos um ente querido e a saudade não tem fim.
    Um abraço para todos, theo

    ResponderExcluir
  8. Sem duvida, uma perda para o jornalismo Mocambicano.Mas felizmente aqui estas tu para nos fazer conhecer esse homem de grande talento. Desejo-te uma pascoa com muito boas lembrancas Jose Paulo!

    Um abraco.
    Gigi

    ResponderExcluir
  9. ...continuem sp a homenageá-lo. Foi um grande Jornalista. Uma perda mt grande, eu testemunhei isso pela reacçao que vi Moçambique ter ao receber a notícia! Um beijinho a toda a família.

    ResponderExcluir
  10. Um beijo para a Theo e outro para a Marinha.
    Não posso deixar de aqui lembrar que a Marinha foi colega de turma do Tó Maria na Escola do Macúti.

    ResponderExcluir
  11. Deixo um abraço dos grandes, como aquele que sempre uniu nossas Famílias.

    ResponderExcluir
  12. Outro do mesmo tamanho para ti, Inez,

    ResponderExcluir
  13. Só agora consegui vir ler o teu testemunho, sobre o Pai, Zé Paulo. Não conseguia pois na minha memória ainda me bate muito forte, aquele domingo de Páscoa. Como o fiz lá, após a morte do Pai, preferi ficar no silêncio.
    Como filha dele agradeço a todos os que aqui se manifestaram.
    O Pai sempre estará ao nosso lado assim como a Mãe e a Mª João
    Beijos carinhosos,
    Bébé

    ResponderExcluir